sexta-feira, outubro 15, 2021
No menu items!
Início Estados Unidos Cresce número de republicanos que querem Trump fora da presidência antes do...

Cresce número de republicanos que querem Trump fora da presidência antes do dia 20; deputado publica vídeo

Depois que manifestantes violentos pró-Trump invadiram o Capitólio dos EUA nesta quarta-feira, um número crescente de líderes republicanos e funcionários do gabinete disseram à Rede CNN que acreditam que Donald Trump deve ser destituído do cargo antes de 20 de janeiro, data da posse de Joe Biden. Quatro deles pediram que a 25ª Emenda seja invocada, e dois outros disseram que o presidente deveria sofrer impeachment. O deputado Adam Kinzinger, republicano do Illinois, publicou um vídeo a respeito:

Kinzinger disse que Trump “invocou e inflamou paixões que apenas deram combustível à insurreição que vimos aqui”. “É hora de invocar a 25ª Emenda e acabar com este pesadelo”, acrescentou.

Um ex-alto funcionário afirmou que as ações do presidente foram flagrantes o suficiente para destituí-lo, mesmo com tão pouco tempo restante em seu mandato.

“Acho que foi um grande choque para o sistema”, disse o ex-funcionário. “Como você o mantém no lugar por duas semanas depois disso?”

Com o impeachment ou a remoção de Trump, mesmo neste estágio final de seu mandato, o Senado poderia votar subsequentemente para desqualificar o republicano de um cargo federal novamente.

Por outro lado, invocar a 25ª Emenda exigiria que o Vice-Presidente Mike Pence e a maioria do Gabinete votassem para remover Trump do cargo devido à sua incapacidade de “cumprir os poderes e deveres de seu cargo” – um passo sem precedentes.

Alguns membros do gabinete estão mantendo discussões preliminares sobre a invocação da 25ª Emenda, uma fonte bem posicionada do Partido Republicano disse à CNN.

As discussões estão em andamento, mas não está claro se haverá membros do Gabinete o suficiente para resultar na remoção de Trump.

As conversas chegaram ao Capitólio, onde alguns senadores foram informados das discussões, segundo a fonte.

Poucos minutos depois de os manifestantes invadirem o Capitólio na tarde de quarta-feira, os republicanos estavam revisitando a ideia de remover Trump do cargo, uma escolha que quase todos eles passaram a fazer um ano atrás durante o julgamento de impeachment.

As denúncias contundentes de Trump também não têm precedentes. O ex-presidente George W. Bush, que se manteve discreto, lançou uma repreensão com palavras fortes na noite de quarta-feira, chamando a “insurreição” no Capitólio de “uma visão doentia”.

Embora não tenha mencionado Trump pelo nome, Bush disse que estava “chocado com o comportamento imprudente de alguns líderes políticos desde a eleição e com a falta de respeito demonstrada hoje por nossas instituições, tradições e aplicação da lei”.

Mitt Romney, o senador de Utah que foi o único republicano a votar para condenar o presidente por um artigo de impeachment no ano passado, foi além, chamando o presidente de um “homem egoísta” que “deliberadamente informou mal seus partidários” sobre a eleição.

Romney também chamou o ataque ao Capitólio de uma “insurreição” e culpou Trump, dizendo que ele “incitou os apoiadores a agirem esta manhã”.

A deputada republicana do Wyoming Liz Cheney, membro da liderança da Câmara, ecoou a raiva e a frustração de Romney com Trump.

“Não há dúvida de que o presidente formou a turba. O presidente incitou a turba, o presidente se dirigiu à turba”, disse Cheney na Fox News. “Ele acendeu a chama”.

Até o senador Tom Cotton, do Arkansas, um aliado fiel de Trump, foi implacável.

“Já passou da hora de o presidente aceitar os resultados da eleição, parar de enganar o povo americano e repudiar a violência da multidão”, disse Cotton.

Outros republicanos no Capitólio também ficaram furiosos com o presidente, reforçando a ideia de que ele seja removido do cargo o quanto antes.   

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

POPULARES